Mão de enólogo sobre os vinhos da Mamma
Postado em November 6, 2020 | por Mamma

Vino è arte! Um brinde aos enólogos

4 minutos para ler

 

Ah, os vinhos da Mamma! Eles chamam atenção de qualquer #winelover. Com seus taninos, aromas e sabores, dão um toque especial a qualquer prato do menu. Você já se perguntou quem é o profissional responsável por elaborar todas essas sensações? O enólogo é o artista por trás de todo esse o processo dos vinhos.

 

Desde antes mesmo das uvas serem plantadas, até chegar às mesas da Mamma. É um processo artístico muito bem elaborado, sensível e que pode ser muito divertido, como bem satirizou o filme I Love Lucy, na clássica cena em que amassa-se as uvas para torná-las vinho.

 

Assim como uma obra de arte, para que um bom vinho nasça, é necessário tempo, muita atenção e dedicação. Tudo começa ao escolher o solo adequado para cada tipo de uva, estar atento ao clima de cada região, as técnicas para o plantio, a poda, até chegar a hora da colheita. Por aqui, vamos entender melhor as etapas do trabalho desse profissional tão necessário nas casas da Mamma! 

 

Afinal, o que é um enólogo?

Garrafa de vinho MJ com taça ao lado

Vinho MJ. Foto: Derek Mangabeira.

Quando destrinchamos a palavra enologia, conseguimos entender bem a origem desse ofício. O radical “eno” serve para designar a palavra “vinho”. Ele tem origem do grego “oinos”. A segunda parte dessa palavra, “logia” significa, ao pé da letra: “estudo de uma arte, ou ciência”. Logo, a enologia é um estudo aprofundado da ciência dos vinhos

 

Para ser um enólogo é preciso dedicar-se a estudar de forma intensa o mundo dos vinhos. Além disso, é necessário também ser muito apaixonado por esse universo. Afinal, são anos de dedicação até que uma pessoa possa ser considerada, de fato, enólogo.

 

Esse profissional é responsável por todas as etapas de produção de vinhos e espumantes. É preciso muito planejamento e entendimento para plantar boas safras, cuidar de suas maturações, saber as necessidades referentes à cada casta, cada uva selecionada, até o produto ser engarrafado e chegar às mãos dos nossos #winelovers.

 

A história da enologia 

Quando olhamos para trás, existem alguns nomes importantes e que ajudaram muito o desenvolvimento dessa arte, para que houvesse tecnologia e repertório como temos nos dias de hoje. Não é possível dizer ao certo quando foi a primeira vez que uma pessoa na história recebeu o título de estudioso dos vinhos, já que, na realidade, existem registros de seres humanos se deleitando com essa bebida desde antes da descoberta da escrita, por exemplo. 

 

O que se sabe, é que ao longo do tempo as pessoas se dedicaram a se especializar tanto no consumo quanto na produção de vinhos de qualidade. 

 

Jean-Antoine Chaptal

Em 1777, o químico francês cria um método de adição de açúcar aos vinhos, aumentando o teor alcoólico da bebida. Hoje, conhecemos o processo como Chaptalização. 

 

Louis Pasteur

Louis Pasteur

Retrato de Louis Pasteur. Foto: Reprodução.

Alguns anos depois, Louis, que era um cientista e médico francês se dedicou aos processos bioquímicos do vinho. Com isso, ele aprimorou as etapas da fermentação, diminuindo, assim, a possibilidade de os consumidores terem alguma doença relacionada à bebida, que antes da descoberta era executada de forma um pouco mais precária.

 

Apesar dos estudos sobre os vinhos terem algum tempo e muitas histórias, foi só no ano de 1955 que a profissão se tornou oficial na França, graças ao francês Émile Peynaud, que é considerado o pai da enologia. Émile foi responsável por diversas publicações e estudos sobre o tema, que revolucionaram esse segmento.

 

Graças a essas pessoas, hoje podemos degustar dos melhores vinhos possíveis enquanto comemos uma pizza na Mamma. Maravilha, não é mesmo? 

 

Os rótulos Mamma Jamma 

Rótulos do vinho MJ produzido por enólogos no Chile e Itália

Rótulos MJ Primitivo e Cabernet Sauvignon. Foto: Derek Mangabeira.

A Mamma conta com dois rótulos para lá de especiais. Com uvas clássicas e sabores bem definidos, eles impressionam qualquer #winelover. 

 

O Primitivo de Puglia é um desses rótulos extremamente marcantes. Com taninos acentuados e uma leveza e frescor únicos, ele proporciona uma viagem sensorial até Puglia, a região Italiana onde a uva Primitivo é plantada. Harmoniza muito bem com os pratos com carnes vermelhas da Mamma! Vale a pena experimentar. 

 

Já o Cabernet Sauvignon de Rapel Valley da Mamma tem suas safras colhidas no Chile. Com uma acidez muito agradável e taninos firmes, pode proporcionar uma experiência bem forte. É perfeito para harmonizar com as massas as Mamma. 

 

O universo do vinho é muito vasto e encantador. Que tal prová-los nas nossas casas ou na sua, pedindo pelo delivery, e fazer uma viagem sensorial até a Itália junto aos nossos pratos? Salute!

SHARE: